sábado, maio 21, 2005

"In good company" (2005), Paul Weitz



Boas companhias

Dan Foreman (Denis Quaid) é um homem de meia-idade que se vê na desconfortável situação de ser ultrapassado profissionalmente por um homem com metade da sua idade. Tudo isto acontece devido ao facto da sua empresa ser vendida a uma grande corporação.
Mas enquanto Dan mantinha relações amigáveis com os seus clientes e empregados, o seu novo patrão Carter Duryea (Topher Grace) adopta uma política de impessoalidade e despedimentos. Como se não bastasse, Carter começa a namorar com a filha mais velha de Dan, Alex (Scarlett Johansson).

“In good company” retrata a vida numa empresa e as relações pessoais que aí se vivem.
O contraste dos métodos de trabalho e ligações humanas entre Dan e Carter são mais que muitas: enquanto um representa o passado fiel e as negociações à base de confiança, o outro representa a modernidade, a frieza e a impessoalidade advinda da tecnologia.
Mas mais do que os problemas profissionais, este filme aborda também as questões das lutas entre gerações, conflitos familiares e problemas amorosos. Porque tudo isto faz parte da existência humana.

* * *